“Preparem-se para o mercado e nunca para uma empresa. Faça o que o mercado pede. Se qualifique, busque conhecimento, que você não ficará fora do mercado”. Assim o Adm. Jonas Cardona Venturini abriu a edição do XV Ciclo de Debates de Administração (CIDEAD), evento promovido pelo Conselho Regional de Administração do Rio Grande do Sul (CRA-RS), em Taquara, na FACCAT, na noite desta segunda-feira (11). O vice-presidente Administrativo do CRA-RS, Adm. Sérgio José Rauber, representando a presidente do Conselho, Adm. Claudia Abreu, destacou que a valorização da profissão começa por uma formação profissional de qualidade. “Debater temas emergentes e relevantes, que possam qualificar ainda mais a gestão das empresas e instituições na região, faz parte do nosso desafio dessa noite”, disse, acrescentando que é preciso sair do discurso do empreendedorismo e compreender como podemos colocar em prática ideias inovadoras, refletindo também no desenvolvimento da região. 
 
Na décima terceira cidade a receber o Ciclo, Taquara, o palestrante trouxe ao público conhecimento sobre como a sociedade, o mercado e o mundo mudou e está em constante transformação com a palestra “O cenário dos negócios no século XXI: Compreendendo a Dinâmica Empreendedora no Universo das Startups e Spin Offs”. Ele explicou que no século XX quem mandava no mercado era o produtor. Hoje, com 20 milhões de empresas no Brasil, o produtor perdeu o protagonismo. “A concorrência, a burocracia, a tributação e a fiscalização aumentaram. É preciso gerar experiência de consumo” disse, acrescentando que quem manda no mercado atualmente é o sistema financeiro. “Precisamos promover várias reformas no Brasil, uma delas é a tributária e nós temos até 2032 para fazer com que isso aconteça, pois nesse ano o número de pessoas economicamente ativas se igualará ao número de pessoas economicamente inativas”, revelou. 

O ciclo de vida de produto, profissionais e de empresas também foi levantado por Venturini. “Blockbuster, Varig, Kodak... São alguns exemplos que não souberam se adaptar às mudanças do mercado. Das 500 maiores empresas americanas de 1990, apenas 20% estão funcionando, vou além, das 500 maiores empresas americanas que existirão em 2030, 80% não existem hoje”, exaltou. Sob a ótica empreendedora, o palestrante ressaltou a importância do empreendedorismo no mundo atual. “O empreendedorismo hoje nasce ou por necessidade ou oportunidade. Aí está um problema no Brasil, em que a maioria dos empreendedores nascem por necessidade, onde não se analisa o mercado, para quem vai vender. Já no Vale do Silício, por exemplo, nascem por oportunidade, compreendem onde precisam entrar e o cenário que estão”, apontou. 
 
Ele explicou ainda a diferença entre os conceitos que dão nome à sua palestra, startup e spin offs. “Startup uma empresa com um modelo de negócio inovador dentro de um cenário de incerteza no qual o risco e maior tanto para quem investe quanto para quem empreende. Já spin-offs é um braço inovador de uma startup, como por exemplo o Google Street View”, disse. A partir disso, o Adm. Venturini apresentou cases de sucesso marcas como o Netflix, Uber, Amazon, AIRBNB entre outros, e destacou as cinco empresas mais valiosas do mundo. São elas: Google (1º lugar); Apple (2º lugar); Microsoft (3º lugar); Coca-Cola (4º lugar) e Facebook (5º lugar). O Administrador complementou que a chave do sucesso é uma só: a persistência. "Nada a supera, nem mesmo o talento”, disse, acrescentando que o empreendedorismo vai salvar o Brasil. “Precisamos nos unir pelo nosso País, se não nada vai para frente. Se algum dia eu morar fora do Brasil é para trazer conhecimento e empregar aqui. Não vamos desistir, juntos somos mais, somos a mudança deste país.”