A Economia Criativa foi tema de debates em dois municípios do interior gaúcho essa semana. Dando seguimento à programação do XVII do Ciclo de Debates de Administração – CIDEAD, o CRA-RS esteve presente em Frederico Westphalen, na terça-feira, dia 4 de junho, e em Tupanciretã, nesta quarta-feira, 5 de junho. 
 
Um conjunto de negócios baseados no capital intelectual e cultural e na criatividade que gera valor econômico, a Economia Criativa foi criada na Austrália em 2001, mas fez sucesso na Inglaterra. Hoje, estimula a geração de renda e cria empregos – somente no Brasil mais de 850 mil profissionais atuam na área com carteira assinada. Esse foi o cenário apresentado pela palestrante, Doutora em Administração e especialista nas áreas de Gestão Estratégica e Gestão de Pessoas, Adm.  Daniele Christensen, que levou o tema aos dois municípios com exemplos práticos do case Disney World.
“Orlando (EUA) é uma das regiões que mais inova no mundo, 80% das pessoas visitam a Disney pela segunda vez ou mais, grande parte dos colaboradores tem mais de 60 anos. Eles são bons naquilo que fazem e eu percebo muita criatividade ali”, ressaltou ela, falando da importância dos empreendedores iniciarem um negócio com o final em mente. “Qual era o final de Walt Disney? Proporcionar felicidade em todos os momentos. Ou seja, cada um deve descobrir qual é o seu propósito”, explicou a Adm. Daniele.
 
Ao apresentar exemplos práticos do case Disney, como a implantação da pulseira de acesso às atrações, o aplicativo no celular, o processo do estacionamento, além de trazer cases de empresas de diferentes ramos no mundo, a Adm. Daniele destacou a importância das pessoas nesse processo de inovação. “São as pessoas que fazem a Economia Criativa girar”, enfatizou.
 
Frederico Westphalen – O XVII CIDEAD reuniu cerca de 350 pessoas no Salão de Atos da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – URI. Essa foi a quarta cidade a receber o evento em 2019 e contou com o apoio da Câmara de Dirigentes Lojistas - CDL e da Associação Comercial, Industrial e de Prestação de Serviços – ACI da cidade. 
 
Na abertura do evento, o professor Adm. Ezequiel Albarello, coordenador do curso de Administração da URI FW, ressaltou a forte ligação do público presente com a área da Economia Criativa. “O que é Economia Criativa e como a gente executa ela aqui na nossa região? É um novo modelo econômico internacional e a gente está começando a experimentar”, enfatizou. A vice-presidente Financeira do CRA-RS, Adm. Izabel Cristine Lopes, destacou a importância da atualização e da reciclagem permanente dos profissionais e estudantes das áreas da Administração. “Nós, como Conselho Regional de Administração, buscamos profissionais de ponta para os debates. Desejo uma noite de muito conhecimento e aprendizado. Frederico Westphalen e região dependem muito de vocês para se desenvolver”, disse ela.
 
Na sequência da palestra, o CIDEAD promoveu um debate sobre a temática, com a participação do diretor executivo do Sicredi, Adm. Márcio Girardi, e do empresário Luiz Bastian Júnior, escolhido profissional do ano em 2018. Segundo o Adm. Girardi, o Sicredi vem crescendo a cada ano com um compromisso muito grande para inovação. “O desafio é continuar sendo competitivo”, disse ele, apresentando projetos da instituição. Já Bastian Júnior focou sua fala na relevância das pessoas nesse processo de Economia Criativa. “Por mais que você tenha máquinas, são as pessoas que fazem a diferença. É preciso aproximar cada vez mais a universidade do mercado, que busca profissionais que estejam “incomodados” e que usem a criatividade para fazer as mesmas coisas de formas diferentes. “O meio acadêmico ensina a aprender e o mercado de trabalho ensina a executar”, afirmou. Como mediador do debate, o professor Adm. Albarello apresentou o que a universidade tem feito em termos de inovação e Economia Criativa. “Ambientes criativos permitem a conexão. O curso de Administração da URI Frederico Westphalen tem mais de 40 anos e precisa interagir com o meio que existe e com o que a sociedade demanda. Isso é sustentabilidade”, finalizou.
 
Tupanciretã - Estreando na cidade, o XVII CIDEAD reuniu, na noite desta quarta-feira (05/06), cerca de 150 participantes na Câmara Municipal de Vereadores, entre profissionais, estudantes e autoridades do município e da região. Rosani Taschetto Didoné, coordenadora do Polo da UNOPAR em Tupanciretã, primeira instituição EaD parceira do Ciclo, se diz honrada em receber o evento. A Adm. Helenice Reis, vice-presidente de Relações Externas do CRA-RS, destacou que o CIDEAD não é uma mera palestra, mas visa provocar mudanças, levar conhecimentos e alternativas às comunidades por onde passa, ressaltando a importância da temática da Economia Criativa, que vem em complemento aos assuntos abordados nos dois últimos anos pelo Ciclo.
 
Em continuidade, o CIDEAD reuniu debatedores para uma reflexão. Mediado pelo representante da UNOPAR e presidente da ACIT Jader Schmidt Gaklik, o momento contou com a participação de Lucio Antunes, do Núcleo de Startups do Jobim Advogados, Fabio Viegas, da startup BOX, de Santa Maria, e do prefeito de Tupanciretã, Carlos Augusto Brum de Souza. Segundo Antunes, que atua no atendimento jurídico de startups, a legislação por muito tempo guiou as atividades empresariais e o que poderia ser feito, o que não vale mais hoje em dia. “A gente vê hoje negócios sendo feitos sem uma estrutura jurídica própria para isso”, afirmou ele, enfatizando a alta capacidade de transformação das empresas provocada pela 4ª Revolução Industrial. 
 
Já Viegas, que perdeu um sobrinho no incêndio da Boate Kiss, em Santa Maria, e hoje é membro da Associação Vítimas e Sobreviventes da Tragédia da Boate Kiss (AVTSM), apresentou ao público exemplos práticos de economia criativa. Entre eles, um aplicativo que conta com a parceria do comércio de Santa Maria para levantar fundos para a entidade. “Antes vendíamos risoto para levantar recursos, com o sistema estamos promovendo uma grande troca com o comércio. As lojas interessadas são credenciadas pelo aplicativo e parte do consumo é destinado à instituição”, contou ele. Já o prefeito de Tupanciretã falou sobre a relevância da inovação, que gera soluções e melhora de renda. “Nós temos que ter a capacidade de buscar soluções e ter inteligência de aplicá-las. A vida não é mais a mesma como há 10 anos. É um grande desafio”, afirmou, destacando que o poder público está aberto para receber novas ideias.